Telf.: 21 303 70 00
Fax: 21 303 70 09
E-Mail: icap@icap.pt
Home
Código de Conduta
Outros Códigos do ICAP
Júri de Ética
Deliberações
Gabinete Técnico-Jurídico
Queixas / Reclamações
Mediação
Copy Advice / Pareceres
Monitorização
Pre-Clearance
Eventos e Destaques
Faça-se Sócio
Perguntas Frequentes
E-Mail
> Registar
 

 
Área Associados Entrar  Esqueceu-se da password?
Voltar Imprimir
Deliberações >
Unilever Jerónimo Martins vs. Reckitt Benckiser Portugal
EXTRACTO DE ACTA

Reunida no oitavo dia do mês de Fevereiro do ano de dois mil e dezassete, a Segunda Secção do Júri de Ética do ICAP, apreciou o processo nº 2J/2017 tendo deliberado o seguinte:

«Processo nº 2J/2017

1. Objecto dos Autos 

1.1. UNILEVER JERÓNIMO MARTINS, Lda., (adiante abreviada e indiferenciadamente designada por UNILEVER ou Requerente), veio, junto do Júri de Ética do ICAP (adiante abreviada e indiferenciadamente designado por JE ou Júri), apresentar queixa contra a RECKITT BENCKISER (PORTUGAL) S.A., (adiante abreviada e indiferenciadamente designada por RECKITT ou Requerida) relativamente a comunicação comercial ao seu detergente para máquina de lavagem de roupa em forma de pastilhas multichamber marca “XAU” - feita através de suporte televisão – tal, por alegada ofensa do quadro ético-legal em matéria de princípio da veracidade e de publicidade comparativa.

1.2. Notificada para o efeito, a RECKITT apresentou a sua contestação.

Dão-se por reproduzidos a queixa, a contestação e os documentos juntos pelas Partes.

1.3. Dos factos

A RECKITT é responsável por uma comunicação comercial traduzida por spot publicitário ao seu detergente para máquina de lavagem de roupa marca “XAU” e divulgada através de suporte televisão. (Cfr. art.ºs 1 a 9 da queixa e Doc. 1 junto à mesma em suporte digital).

A análise da queixa, da contestação e dos documentos juntos aos autos pelas Partes, permite concluir que a comunicação, colocada em crise é consubstanciada pelas alegações publicitárias ou claims que o Júri passa a elencar.

1.3.1. Do teor das alegações publicitárias ou claims
- (i) Primeiro claim visual: “Em ambiente de cozinha, a mulher retira da máquina de lavar a roupa uma camisa onde se pode identificar uma nódoa e questiona o marido:”
- (ii) Primeiro claim verbal: “Mas, como é que a lavaste?”;
- (iii) Segundo claim verbal: “Com detergente”;
- (iv) Segundo claim visual: “Mão da mulher a segurar com dois dedos uma substância pastosa que a eles se cola afirmando:”;
- (iv) Terceiro claim verbal: “Que não se dissolveu!”;
- (v) Terceiro claim visual: “A mulher surge com uma cápsula do produto Xau, ao lado de uma embalagem do dito produto, enquanto afirma:”;
- (vi) Quarto claim verbal: “Usa as novas Xau Vanish Power Gel Caps!”;
-(vii) Quarto claim visual: “Imagens paralelas de duas cápsulas submergidas em água”, constando:
- (vii-a) da esquerda a menção “cápsulas multichamber mais vendidas associada cápsula que não chega a dissolver-se completamente”. (Cfr. Doc. 1 da queixa e art.º 3 da contestação);
- (vii-b) da direita a referência à “marca XAU” associada a dissolução imediata da cápsula”. (Cfr. Doc. 1 da queixa e art.º 3 da contestação);
- (vii-c) a associação de ambas as imagens a quinto claim verbal, em voz-off: “Dissolvem-se mais rápido e os agentes Vanish removem as nódoas mais difíceis”;
- (viii) Quinto claim visual: “Imagem única do líquido proveniente da cápsula  XAU a remover a nódoa de camisa”;
- (ix) Sexto claim visual: “surge o casal, estando o marido com a camisa vestida e sem qualquer nódoa, em associação a “
- (x) sexto claim verbal voz-off de mulher: “Para uma limpeza perfeita, sem resíduos!”;
- (xi) sétimo claim visual “produto XAU, junto a um conjunto de roupa colocado em cima da máquina de lavar” associado a
- (xii) sétimo claim verbal com locução em voz-off “Nova XAU Vanish Power Gel Caps”.

1.4. Das alegações das Partes

1.4.1. Entende a UNILEVER, em sede de queixa, que a comunicação comercial da responsabilidade da Requerida traduz um caso de publicidade comparativa ilícita - porquanto, alegadamente, se encontra em desconformidade com vários dos requisitos estabelecidos nos preceitos ético-legais que regulam tal prática - sendo, designadamente, enganosa:

- (i) “O anúncio (…) sem margem para dúvidas (sic. art. 11) “Compara as cápsulas do produto da marca XAU as cápsulas multichamber mais vendidas.” (sic. art.º 12) ficando a questão: “com que cápsulas pretende a RECKITT comparar as suas cápsulas XAU?” (sic. art.º 15) já que, “A análise da imagem transmitida, ao contrário de esclarecer, faz adensar a dúvida sobre o objecto da comparação” (sic. art.º 16), porquanto “…a cápsula apresentada como sendo a mais vendida, tanto pode ser uma cápsula de ARIEL, como pode ser uma cápsula de SKIP, senão vejamos as imagens de cada uma delas” (sic. art.º 17), pelo que, “Ao baralhar a identificação do concorrente, a RECKITT pretendeu (e conseguiu!) lançar a confusão no espírito do consumir que, por mais atento e advertido que seja, retém apenas a mensagem de que a cápsula mais vendida é verde e não se dissolve.” (sic. art.º 37);
- (ii) “…caberá à RECKITT, em resposta à presente denúncia, apresentar ao ICAP a comprovação da sua publicidade” (sic. art,º 48) acrescentando que, “Tal comprovação deverá abranger toda a extensão da alegação publicitária em causa, isto é: (…) que se comparou pelo menos com as cápsulas de ARIEL e de SKIP presentes no mercado português, pois só assim pode fundamentar a comparação de superioridade; (…) que a cápsula XAU se dissolve muito mais rapidamente do que as mencionadas cápsulas de SKIP e ARIEL e não apenas em algumas circunstâncias, porquanto o anúncio em causa não contém qualquer reserva ou restrição; (…) que o efeito da utilização das cápsulas SKIP e ARIEL é (…) a não dissolução, com o consequente depósito de uma pasta pegajosa; (…) que as cápsulas de XAU, pelo facto de se dissolverem muito mais rapidamente do que as de SKIP e ARIEL, removem eficazmente as nódoas que aqueles detergentes (em cápsula) não removem.” (sic. art.º 49).

1.4.2. Contraditando a argumentação da UNILEVER, defende a RECKITT, em sede de contestação, a legalidade e a ética da sua comunicação comercial argumentando, em síntese, que:

- (i) “….ao contrário do que a ULJM afirma, a imagem utilizada na comparação side-by-side remete efectivamente os consumidores para a cápsula ARIEL em causa (sic. art.º 27) “Não existindo, portanto, qualquer susceptibilidade de confusão” (sic. art.º 28), acrescentando que, “(…) conjugando todos os factores – referência para a cápsula mais vendida e a imagem de uma cápsula verde com uma espiral – os consumidores identificam as cápsulas ARIEL” (sic. art.º 32) “E sabem também o que é multichamber” (sic. art.º 33) sendo “…bastante plausível que os consumidores têm nítida noção de que existem dois tipos de cápsulas de detergente para lavagem da roupa: i) as que têm apenas um tipo de detergente e uma única câmara e função, e ii) as que têm diferentes tipos de produtos, com uma pluralidade de funções (tira-nódoas, detergente, etc.) e que, por esse facto, são têm mais do que uma câmara.” (sic. art.º 36);
- (ii) “Foi realizado um estudo em Novembro de 2016 pela Innovhub – SSI, elaborado para a Reckitt Benckiser Italia S.p.A (…) para comparar a velocidade de dissolução de cápsulas de gel na máquina de lavar” sendo que o seu “,,,objectivo final (…) suportar a afirmação “Dissolução mais Rápida” das cápsulas de gel dualchamber da RB versus cápsulas de gel multichamber concorrentes, tendo em conta que por cápsulas de “dissolução mais rápida” se deve entender aquelas que revelem, num painel de avaliação visual, menos resíduos após 5 minutos de ciclo de lavagem” (…) que “concluiu que após uma avaliação estatística: RB Gelcaps é melhor que ARIEL PODS a um nível alfa inferior a 1% (um resultado significativamente alto); RB Gelcaps é melhor que NEW SKIP ULTIMATE DOUBLE ACTION a um nível alfa inferior a 1% (um resultado significativamente alto)” (sic. art.º 47), “Pelo que se deverá concluir que a comparação inerente ao filme em apreço está devidamente substanciada”. (sic. art.º 50).

2. Enquadramento e fundamentação ético-legal

2.1. Da alegada prática de publicidade comparativa ilícita

Concordam as Partes em que a comunicação comercial em lide consubstancia uma prática de publicidade comparativa (cfr. art.ºs 11 a 52 da queixa e 6 a 53 da contestação) discordando, porém, quanto à respectiva ambiguidade, esta, alegada pela UNILEVER.

Analisados o teor do spot publicitário televisivo em apreço e a argumentação tecida quer pela Requerente, quer pela Requerida, bem como os documentos juntos aos autos por ambas, considera o Júri que, colocado o consumidor médio, normalmente informado e razoavelmente atento e esclarecido perante a comunicação comercial ao produto “XAU”, (entendendo-se por aquele, de acordo com o disposto no n.º 5 do artigo 3.º do Código de Conduta do ICAP, o destinatário da publicidade que possua um grau razoável de experiência, de conhecimento e bom senso e detenha uma razoável capacidade de observação e prudência) a sua percepção quanto ao produto concorrente escolhido para comparação, tanto poderá abarcar as cápsulas de detergente da marca “ARIEL”, como as da marca “SKIP”, porquanto:

- (i) A expressão “cápsula mais vendida” é, por si só ambígua, podendo o respectivo significado equivaler a uma mancha de marcas mais conhecidas e respetivas cores representativas, ao jeito de “facto público e notório das principais marcas”, e não só de uma;

- (ii) Mas nunca, certamente, de uma sub-marca “multichamber” específica, na medida em que este segmento pode, por um lado, não consubstanciar o sinal forte de cada marca ou fabricante (tendo presente que a Requerida não logrou comprovar o contrário) e que, por outro, a liderança partilhada do respectivo segmento de mercado ao não ser, sequer, susceptível de apreensão significativa, muito menos o será por via da expressão “cápsulas mais vendidas”;

- (iii) Acresce, ainda, ser muito pouco plausível que o consumidor-médio tenha a nítida noção de que existem dois tipos de cápsulas de detergente para lavagem da roupa, sendo um destes o da gama “multichamber”, por terem as respectivas cápsulas mais do que uma câmara (cfr.. art.ºs 20 da queixa e 36 da contestação), já que se concorda em que tal designação é reconhecida pelas empresas que actuam no mercado, mas não é usada na linguagem corrente.” (cfr. art.º 18 da queixa). Tal como não o é, o termo “monochamber”;

- (iv) Não releva o que o destinatário da publicidade polaco possa entender acerca de tal nomenclatura (cfr. art.º 36 da contestação e Doc. 3 junto), já que para a definição do conceito do primeiro são curiais, nomeadamente, uma cultura e um território específicos e, com alguma probabilidade, os géneros masculino e feminino, e não somente o último;

- (v) Tal como não releva o entendimento que a RECKITT tem de “destinatário da publicidade em causa” para concluir pela representação necessária de um significado único traduzido por “ARIEL multichamber” (cfr. art.º 41 da contestação), já que aquele não equivale à noção de público-alvo da mesma publicidade, nem tão pouco à de consumidor do produto ou da gama comunicada reportando-se, sim, a um conceito bastante mais abrangente: o de qualquer pessoa que possa ser atingida pela comunicação comercial;

- (vi) De onde, por maioria de razão, o termo “multichamber”, ao não permitir a identificação de um tipo de cápsulas específico por parte do destinatário da publicidade, muito menos será propiciador da identificação da cápsula mais vendida de tal segmento: a da ARIEL (Cfr. Doc. 2 da queixa);

- (vii) Aliás, não deverá ser considerado despiciendo o facto de o quadro legal em matéria de publicidade e de informação a prestar ao consumidor interditar o uso de expressões em língua estrangeira – línguas mortas incluídas -, que traduzam informações essenciais (e não meras fantasias), precisamente, em ordem a evitar qualquer susceptibilidade de indução em erro por impossibilidade de compreensão total ou parcial da mensagem;

- (viii) Pela ordem de motivos exposta, e também por virtude de ser a própria RECKITT a admitir que pretende comparar as suas cápsulas “multichamber” da marca “XAU” com as da marca “ARIEL” da mesma gama, não entende o Júri a razão de ter optado a Requerida pelo uso de uma expressão ambígua e susceptível de poder implicar a representação das cápsulas “SKIP” na mente do destinatário ou mesmo de outras. (Vd. ponto 1.3.1. (vii-a)). Tal, ainda para mais, no contexto de uma prática de publicidade comparativa, cujos espartilhos ético-legais (designadamente, em matéria de clareza da mensagem) vão muito para além da necessidade de observância do princípio da veracidade nas comunicações comerciais; 

- (ix) De acordo com tais espartilhos e susceptibilidades de incompreensão de toda a extensão do significado “cápsula multichamber mais vendida”, constacta-se na publicidade colocada em crise a utilização de cores para a “identificação” da concorrência, as quais não se podem considerar típicas e exclusivas das cápsulas “ARIEL”, na medida em que também identificam as da “SKIP”, sendo que, por maioria de razão do que se referiu quanto ao conhecimento do mercado em apreço por parte do chamado consumidor-médio, qualquer espiral, ou ausência desta, no interior de uma cápsula, será irrelevante para o efeito da necessidade de uma única leitura e de uma única representação por parte do destinatário, em matéria publicidade comparativa e de princípio da veracidade;

- (x) Por último, e em coerência com o expendido, assume-se como válida para o efeito de se concluir sobre quais das marcas de detergentes em causa para lavagem na máquina de roupa são mais conhecidas, nos termos expostos, a prova decorrente dos dados oficiais da Nielsen, constantes do Doc. 2 da queixa, sendo curial a circunstância de ter a  marca “SKIP”, o SKU de cápsulas mais vendido. Dito de outra forma, poderá ser a mais conhecida, não obstante não o ser, provavelmente, por via do segmento “multichamber”.

Ora, nos termos do disposto no artigo 15.º do Código de Conduta do ICAP, “É comparativa a Comunicação Comercial que identifica, explícita ou implicitamente, um concorrente ou os bens ou serviços oferecidos por um concorrente.” (1), sendo que “…a comparação deve: (2) não ser enganosa; (a), não gerar confusão no mercado entre o anunciante e um concorrente ou entre marcas, designações comerciais, outros sinais distintivos, bens ou serviços do anunciante ou de um concorrente; (e), não desacreditar ou depreciar marcas, designações comerciais, outros sinais distintivos, bens, serviços, actividades ou situação de um concorrente” (f), redacção que encontra a sua equivalência no artigo 16.º do Código da Publicidade. 

Por seu turno, de acordo com o disposto no artigo 9.º, n.ºs 1 e 2 daquele Código de Conduta, sob a epígrafe “Veracidade”, “A Comunicação Comercial deve ser verdadeira e não enganosa” (1) e “deve proscrever qualquer declaração, alegação ou tratamento auditivo ou visual que seja de natureza a, directa ou indirectamente, mediante omissões, ambiguidades ou exageros, induzir, ou ser susceptível de induzir, em erro o Consumidor…(2)”.

Saliente-se que, foi entendido quer pelo legislador português, quer pela União Europeia (cfr. Directivas 84/450/CEE e 97/55/CE) que, como norma de instrução em matéria de observância do princípio da veracidade, se devia instituir uma regra de direito probatório (cfr. actual n.º 3 do artigo 11.º do Código da Publicidade) nos termos da qual se presumem inexactos os dados referidos pelo anunciante na falta de apresentação de provas ou na insuficiência das mesmas, no que, aliás, o articulado dos artigos 4.º, 5.º e 12.º do Código de Conduta do ICAP se encontram em consonância, pelo que impende sobre a RECKITT, o ónus da prova das alegações publicitárias em lide.

Com efeito, nos termos do referido artigo 12.º, “As descrições, alegações ou ilustrações relativas a factos verificáveis de uma comunicação comercial, devem ser susceptíveis de comprovação” (1) e “Esta comprovação deve estar disponível de maneira que a prova possa ser prontamente apresentada por mera solicitação do ICAP”. (2).

Concluiu o Júri que, não são somente as cápsulas multichamber da marca “ARIEL” susceptíveis de serem interiorizadas pelo destinatário da publicidade em lide, como objecto de comparação com as da marca “XAU” da RECKITT. Ao contrário, sustentou a possibilidade de tal acontecer, igualmente, com as da marca “SKIP”, por virtude de uma prática de publicidade comparativa implícita eivada de uma ambiguidade de natureza verbal e imagética. 

De onde, o JE considera que a campanha publicitária em análise é de molde a gerar a confusão no mercado entre produtos da concorrência sendo, neste tocante, desconforme com o disposto no referido artigo 15.º, n.º 2, alíneas a) e e).

2.2. Da bondade da prova

No entender do Júri, nenhum dos documentos juntos aos autos com a contestação é apto a comprovar a veracidade das alegações publicitárias que comunicam quer a superioridade das cápsulas “XAU” na remoção de nódoas em relação às “ARIEL” e “SKIP” (sem restrições), quer a pastosidade agarrada aos dedos enquanto resto de pastilha não dissolvida na lavagem da máquina de roupa, (em qualquer circunstância), sendo que, o que está em causa não é tanto a comunicação do excelente resultado apresentado pela lavagem com o produto da RECKITT, mas sim, a comunicação do mau resultado propiciado pelos produtos da concorrência que a comunicação identifica implicitamente.

Concretamente, o estudo constante do Doc. 4 da contestação apresenta resultados para “Dissolução mais Rápida” das cápsulas “XAU” versus cápsulas de gel multichamber concorrentes, entendendo-se por “cápsulas de dissolução mais rápida” aquelas que revelem, num painel de avaliação visual, “menos resíduos após 5 minutos de ciclo de lavagem”.

Não crê o Júri que “dissolução mais rápida num ciclo de lavagem de cinco minutos” equivalha a “não dissolução num ciclo de lavagem de mais do que cinco minutos, de molde a gerarem-se resíduos pastosos”. Ora, sendo esta última, com toda a razoabilidade, a mensagem que é compreendida pelo destinatário da comunicação comercial comparativa em apreço, ter-se á que concluir que a RECKITT não a logrou provar.

Pelo exposto (e não sendo admissíveis in casu, quaisquer hipérboles publicitárias), no que tange às mensagens de superioridade implícita de remoção das nódoas mais difíceis (sem especificação) e de não dissolução de cápsulas da concorrência (em qualquer circunstância), simbologia que decorre das alegações colocadas em crise, verifica-se uma prática de publicidade desacreditadora da concorrência, para além de enganosa.
 

3. Decisão

Termos em que a Segunda Secção do Júri de Ética do ICAP delibera no sentido de que a comunicação comercial da responsabilidade da RECKITT- veiculada em suporte televisão - em apreciação no presente processo -, se encontra desconforme com os artigos 4.º, n.º 1, 5.º, 9.º, n.ºs 1 e 2, 12.º e 15.º, n.º 2, alíneas a), e) e f) do Código de Conduta do ICAP, pelo que a sua divulgação deverá cessar de imediato e não deverá ser reposta - quer na sua totalidade, quer em termos parciais, seja em que suporte for - caso se mantenham os tipos de ilícito apurado pelo JE.».









A Presidente da Segunda Secção do Júri de Ética do ICAP


Voltar Imprimir
 
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
 
 
 
© ICAP - Instituto Civil da Autodisciplina da Comunicação Comercial
Concepção e Programação por Tela Digital
Gestor de Conteúdos Open Manager
Membro de: EASA_15_since-1992